Skip to content

Recapitula…CÃO do mês de Agosto

03/09/2009

Ao longo deste mês, em que celebramos 6 meses de presença online, muitas e variadas coisas aconteceram, aqui no P.T.N. – e, como sempre sucede num espaço como este, tivemos de tudo um pouco. Porém, e apesar de alguns acontecimentos menos felizes, podemos declarar, com a maior satisfação, que o saldo de Agosto é francamente positivo!

* DONATIVOS E APADRINHAMENTOS:

O melhor de tudo foi, sem dúvida alguma, a gigantesca onda de manifestações de interesse e solidariedade de que o P.T.N. foi alvo, como resultado da extraordinária campanha de divulgação do nosso trabalho, levada a cabo, graças à iniciativa da Agência Lusa, por diversos meios de comunicação.

Em termos práticos, o excepcional impacto desta campanha traduziu-se, já, em alguns donativos, pelos quais estamos profundamente gratos, e, por outro lado, em novos apadrinhamentos de alguns dos nossos residentes permanentes, o que nos enche de alegria e, mais uma vez, de reconhecimento.

Assim, e embora já o tenhamos feito pessoalmente, não podemos deixar de registar aqui, uma vez mais, e agora publicamente, a nossa gratidão a todos os benfeitores e aos novos padrinhos e madrinhas, que assim nos permitem, ao complementar, com as suas generosas contribuições, os limitados e sempre insuficientes recursos de que dispomos, continuar a proporcionar aos nossos amiguinhos todos os cuidados e o bem-estar que tanto merecem!

Ainda a este respeito, é com muito prazer que vos convidamos a visitar a nossa nova página:

“Já têm (novos) padrinhos”

*

* ADOPÇÕES… E MUDANÇAS DE ESTATUTO:

Xiquinha2
É também com grande prazer que vos comunicamos que, no passado dia 31, a nossa XIQUINHA (na foto) se mudou para uma casa nova! Em breve publicaremos mais detalhes sobre a adopção desta nossa amiguinha na página “Já estão em casas novas”, mas entretanto, não queremos deixar de agradecer, desde já, à Sra. D. Maria da Glória e à sua filha, de quem a XIQUINHA acaba de tornar-se uma companheira muito especial, o bem-estar e o carinho que se propõem proporcionar-lhe!

Tivemos também a alegria de poder colaborar na adopção de duas lindas cachorrinhas bebés, que alguém com pouco coração e menos sentido de responsabilidade abandonou, durante a noite, à porta de uma casa de artigos para animais onde costumamos adquirir algumas das coisas de que necessitamos – e à qual estamos muito gratos por nos ter privilegiado com a iniciativa de colocar, nas suas instalações, uma caixinha destinada a donativos a favor do P.T.N.

À “ESPAÇO ANIMAL” do Centro Comercial E. Leclerc de Lordelo, o nosso muito obrigada!

Pastorinha2
Por outro lado, tivemos, aqui no P.T.N., uma mudança de estatuto. Recordam-se da PASTORINHA (na foto)? Pois esta nossa linda amiguinha, cruzada de Pastor Alemão, chegou a passar alguns dias numa casa nova… mas teve de regressar ao P.T.N. e à companhia do seu grupo, pois entrou em greve de fome e em depressão, assim repetindo a reacção que teve, há cerca de um ano, a uma anterior tentativa de realojamento – e assim se confirmando como uma candidata de alto risco para adopção, pelo que, interessados, acima de tudo, no seu bem-estar e na sua estabilidade, acabamos de mudar o estatuto desta nossa menina para o de residente permanente. Assim, a PASTORINHA integra, a partir de agora, o grupo dos nossos amiguinhos que “Precisam de padrinhos”.

Tommynovoestatuto
A este rol, juntou-se também, ultimamente, o TOMMY (na foto), cujos protectores deixaram, devido a dificuldades financeiras, de se responsabilizar pelos encargos inerentes à sua manutenção. Poderão recordar a história do TOMMY, que agora precisa, também, de um padrinho ou de uma madrinha, na página “ALMA DE CÃO – Histórias do Parque, com amor”.

*

* ABANDONOS, EMERGÊNCIAS, E APELO:

Como dizíamos no início deste boletim, nem tudo o que aqui sucedeu foi positivo – e como infelizmente acontece todos os anos, neste mês de Agosto de 2009 o P.T.N. foi, mais uma vez, um dos locais escolhidos por pessoas irresponsáveis para abandonarem animais indefesos… e, neste caso, vítimas de cruel negligência.

Fernandinho2
O FERNANDINHO (na foto) foi atirado cá para dentro com uma fractura, que fazia com que a sua patinha parecesse um saco vazio. Além de obviamente cheio de dores, este cãozinho, que terá cerca de um ano ou talvez nem tanto, estava visivelmente desnutrido e desidratado, e exibia ainda uma coleira apertadíssima em torno do pescoço. Claro que não podíamos deixar de lhe proporcionar, de imediato, todos os cuidados necessários, e assim, o FERNANDINHO foi conduzido com urgência para a clínica, onde foi operado à sua patinha. A operação correu, felizmente, muito bem, e, ao fim de dois dias, já tínhamos o nosso amiguinho de volta aqui ao P.T.N., onde continua a recuperar satisfatoriamente, e onde aguarda, agora, que uma nova família o queira levar consigo e proporcionar-lhe o bem-estar e o carinho que antes não teve. Em breve publicaremos mais detalhes acerca deste nosso novo e simpático amiguinho na página “Precisam de casa nova”.

Mais grave, contudo, é o caso da DIANA – nome que demos a mais uma cadelinha da raça Setter Irlandês que, tal como a anterior (mãe do RALPH e da MAGGIE), alguém aqui largou. Não podemos, porém, senão classificar o abandono desta segunda DIANA como um acto criminoso de crueldade. Além de um grande abcesso no pescoço, decorrente de uma violenta infecção claramente causada pela mordedura não tratada de outro cão, a DIANA (de quem em breve teremos fotografias para partilhar aqui), muito abatida, apresentava uma lesão com muito mau aspecto numa das patas dianteiras, e uma temperatura de 42º C. Escusado será dizer que a levamos, com toda a urgência, para a clínica, onde a prioridade foi tentar debelar a enorme infecção, antes que evoluísse para uma septicemia que teria sido, provavelmente, fatal. Relativamente à lesão na pata, que de início parecia ser um princípio de gangrena decorrente de um qualquer ferimento também infectado, veio a verificar-se posteriormente, mediante a realização de uma cintilografia, tratar-se, afinal, de um carcinoma – o que viria a ser confirmado pelo resultado de uma biopsia entretanto realizada. Estamos tristíssimos, porque, ao que tudo indica, a patinha da DIANA terá de ser amputada, para que ela possa sobreviver. No entanto, temos esperança de que ela recupere totalmente, e venha, depois, a adaptar-se, sem demasiada dificuldade, à sua nova situação. Como poderão já ter calculado, esta nossa amiguinha irá, quando regressar da clínica, integrar o grupo dos residentes permanentes aqui do P.T.N. – que, mais uma vez, assim se torna no último reduto de um animal abandonado e mutilado, devido à revoltante irresponsabilidade de outrem.

ptnemergencias
Como poderão também calcular, estas duas EMERGÊNCIAS a que não podíamos deixar de acudir, vêm acrescer aos já muitos e elevados encargos a que o P.T.N. tem de fazer face. A operação do FERNANDINHO ficou em € 250,00 – e a da DIANA, acrescida das análises e dos outros tratamentos a que teve de ser submetida e que continuarão até ter alta, está orçada em € 300,00. São valores elevados a que, apesar das condições especiais com que a clínica sempre nos beneficia, teremos dificuldades em fazer face somente com os nossos recursos, pelo que vimos apelar para a generosidade dos nossos amigos, no sentido de, se possível, nos ajudarem a liquidar estas despesas. Caso possam auxiliar-nos, o que, desde já, e antecipadamente, muito agradecemos, poderão fazê-lo através do NIB indicado na nossa página…

“Lista de coisas para os afilhados, protegidos, e outros amiguinhos que vivem no P.T.N.”

… colocando, no descritivo, a referência “FERNANDINHO” ou “DIANA”.

*

* OUTROS APELOS:

Neste caso, referimo-nos a um grande número de apelos recebidos, no sentido de acolhermos animais. Desde animais de rua, que algumas pessoas protegem e alimentam, e a quem gostariam de proporcionar maior segurança e estabilidade, a cães recolhidos (alguns com problemas de saúde ou feridos) por pessoas que não têm condições para os manter consigo, passando por casos em que alterações na vida familiar ou profissional das pessoas não lhes permitem, mais uma vez, manter os animais consigo, também neste aspecto tivemos de tudo um pouco… e infelizmente, em todos os casos, com excepção de um de que mais adiante falaremos, não nos foi possível dar resposta positiva. Por mais que gostássemos de poder acolher mais animais, e apesar de partilharmos, totalmente, da angústia daqueles que nos dirigem tais apelos, pois algumas situações são, de facto, aflitivas, temos a noção de que não podemos, de momento, aceitar mais nenhum – o que, por certo, e como já temos admitido, implica um auto-controlo muito grande.

A lotação autorizada do P.T.N. é de 60 lugares, e está, neste momento, totalmente preenchida – na sua esmagadora maioria por residentes permanentes, muitos dos quais com problemas de saúde ou necessidades especiais, contando-se, entre eles, vários cães pelos quais os respectivos protectores (pessoas que os trouxeram para cá ou por intermédio de quem os acolhemos) deixaram de se responsabilizar – como foi o caso recente do TOMMY, de que acima falamos – assim deixando o P.T.N. com esse encargo adicional, ao qual só vai sendo possível fazer face graças às preciosas contribuições de amigos, padrinhos e madrinhas.

Assim, só à medida que vão surgindo vagas, ou através da adopção com sucesso (que também temos casos de devoluções, bem como de resgates da nossa própria iniciativa) de residentes temporários, ou porque a vida de algum dos residentes permanentes chega ao fim, se nos torna possível fazer uma reavaliação dos casos em lista de espera – e determinar, então, quais os que estamos preparados para acolher, sendo dada absoluta prioridade àqueles que apresentam um mais elevado grau de risco.

E é de elevadíssimo risco o único caso que nos levou a abrir, neste momento, uma excepção. Trata-se, na realidade, de um caso terminal – uma cadelinha com síndrome de Cushing – e que nos foi encaminhada para lhe dispensarmos os cuidados paliativos que, na clínica veterinária onde se encontrava, não podiam prestar-lhe de forma tão personalizada. A KIKA NINA não tem cura, e está já muito perto do fim – mas, até que chegue esse momento, continuaremos a proporcionar-lhe todos os cuidados que a mantenham livre de dores e o mais confortável possível.

*

* UMA DESPEDIDA:

Júlia1
Ainda em Agosto, chegou a vez de mais uma amiguinha nossa, a JÚLIA, partir para o “Céu de Cão”. A JÚLIA (na foto), residente permanente do P.T.N., era uma das protegidas da Dra. Adelina, que lhe dedicava grande afecto, e era uma cadelinha já bastante idosa. Quando para cá veio, a JÚLIA sofria já de uma ascite crónica – líquido na cavidade abdominal, que, de vez em quando, necessitava de ser drenado, o que lhe proporcionava alívio durante algum tempo. Porém, com o agravamento da doença, o funcionamento renal principiou a ficar comprometido, até que, finalmente, paralisou por completo. Foi realizada uma intervenção de urgência, mas, ao verificar-se a existência de um enorme tumor, que afectava já vários órgãos vitais, e não era cirurgicamente removível, a protectora da JÚLIA, com o nosso total apoio, tomou a corajosa e responsável decisão de deixar adormecer definitivamente esta nossa amiguinha… que, para sempre, recordaremos com muito carinho!

*

* FANS DO P.T.N.

E, para terminar com uma nota feliz, pois, apesar dos problemas, é com alegria e espírito positivo que gostamos de enfrentar os desafios do dia-a-dia, é-nos grato comunicar que a nossa página no Facebook tem tido um acolhimento excelente! No momento em que publicamos esta nota, o número de fans do P.T.N. ascendia já a 176… e contamos que continue a aumentar! Obrigada, fans do Facebook! Os nossos amiguinhos estão muito contentes por terem tanta e tão boa gente a apoiá-los!

*

Até breve, queridos amigos! E, de todos nós aqui no P.T.N., um grande

Xi-coração – ão – ão!!!

One Comment leave one →
  1. Susana Pedroso de Lima permalink
    17/09/2009 13:38

    Fiquei feliz por saber que existem pessoas tão preocupadas e dedicadas a esta criaturas, que tanto precisam de nós. Posso dizer que a mais ou menos 15 anos, adoptei uma cãozito abandonado, e que já passou por tudo que é doença, inclusivé tem papos que á anos que os veterinarios são de opinião de não mexer. O Fredy apesar da idade e de tudo, é um cão feliz, e muito resistente, trato-o como se da familia fosse, ou melhor é. Sempre quiz ter um espaço para proteger esses seres mal tratados e abandonados. Vou gostar de colaborar convosco, dentro das minhas possibilidades, quer de deslocação, não tenho transporte próprio, quer a nivel finaceiro, dentro deste também não vou ser a grande ajuda, mas dentro das minhas possibilidades, vou tentar. Tenho pena neste momento de não poder adoptar um desses amigos, mas para além do Fredy, ofereceram-me a pouco tempo um cachorrito.
    Felicidades Susana

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: